terça-feira, 20 de setembro de 2011

DIREITO À REVOLTA!!

           
               As vezes penso que, pelo nosso imediatismo temos a tendência de desistir rápido dos nossos sonhos. E pior, de procurar um culpado pelas  respostas que nunca chegam...
               Quantas vezes, não poucas, não raras, queremos motivos para os acontecimentos surpreendentes, e como não conseguimos encontrar, nos desesperamos, nos revoltamos, em seguida nos surpreendemos proferindo a célebre frase: " Foi a vontade de Deus..." Como se não tivéssemos o direito à revolta, ao desespero, muito menos às dúvidas.
               Em outras ocasiões, em que também não obtemos respostas, ( fomos ensinados a não ter direito de duvidar...) dizemos: " É mistério..." Isto é, de certa forma, bom, por nos trazer um pouco de conformação, ou até por mascarar a dor pela limitação...
               Então vamos lá! Fica assim: Tudo o que temos dificuldade de assimilar, aceitar ou entender, ou ainda, quando nos negamos a pensar com mais abertura, trata-se da " misteriosa, soberana e implacável vontade de Deus".
               Quando será que entenderemos que aceitar a naturalidade dos acontecimentos, em seu sentido literal, é que torna Deus mais Deus e os humanos mais humanos?
               Quando será que entenderemos que " implacável soberania" não combina com " eterna misericórdia "?
               Sinto-me no direito de revoltar-me, desesperar-me, sofrer, chorar e ainda assim continuar sendo amada incondicionalmente por um Deus que tudo vê!

                                                                                               Sandra.

3 comentários:

  1. Caramba, mana! Não me surpreende teus escritos pois conheço tua capacidade de raciocinar... O que me entusiasma é ver na minha família sentimentos partilhados como confirmação de que somos similares e Deus é Único! A revolta, a dúvida, as conjecturas são típicas do ser humano e isso nos torna sinceros diante do Deus que tudo É!

    ResponderExcluir
  2. Um texto cheio de força e sentimento. Adorei. Vim do Clube dos novos escritores.
    Um abraço

    ResponderExcluir